É uma sina?

15:47


A pergunta esdrúxula e de resposta óbvia não é tão simplista, mesmo comportando apenas três palavras.

Tão antiga quanto o conceito de humanidade, a homossexualidade parece ressurgir socialmente de tempos em tempos como uma grande novidade. Anormalidade, doença, opção, são todas palavras equivocadas e insuficientes.

Se invertermos os pólos e analisarmos a heterossexualidade, não há muita diferença. E para os heteros como eu, certamente não é uma opção. Aqui não é uma discussão de gênero e sociedade, mas somente uma opinião de quem partilha algum desejo. O desejo não vem como opção, mas como uma pulsão, uma das forças que nos move independentemente de nossas vontades.

É muito estranho que a sociedade precise se meter na sua cama e avaliar se você deve ou não dormir com alguém e por quê. Não sei quem lhes deu esse passe livre sobre nós e como se concordou tão rapidamente com tudo.

O fato é que sempre houve essa posição conservadora – também familiar – que encontra aí por alguma razão o direito de intervir em nossas intimidades. Vi de perto uma dessas histórias e insisti sempre no porquê da polêmica do não pode, não deve. A procriação e tudo mais é possível pra todos assim como a constituição de uma família e o casamento. Dá pra entender, as famílias não querem deixar de existir, querem perpetuar esse legado incrível e individualista do nada que somos. O que não se entende é que até para as famílias, a diversidade é possível. E saudável.

Trabalhando com comunicação, tenho a sorte de conviver na diversidade. Já ouvi de amigos gays sobre sua infância e adolescência e em como era uma batalha diária se entender, se aceitar e se preparar pra uma luta mesmo, de autodescoberta, exposição e sofrimento. De como essas marcas só começam a ser suavizadas agora que se transformam em adultos.

E dá pra ver que assim, a minha vida sempre foi um mar de rosas, com algodão doce e ursinhos carinhosos, não importando qualquer problema que estivesse vivendo. Sem ter que me explicar o tempo inteiro ou até fazer terapia para entender por que eu seria e me via de forma diferente, eu era simplesmente igual a todo mundo, isso não era uma grande novidade e não havia ninguém de cara feia me olhando.

E por que, nestes tempos depois de tanta História e histórias se volta a crer que um projeto de lei possa entender a "opção" sexual como parâmetro de (a)normalidade? Justo agora que se levantam bandeiras, mais uma vez, contra as intolerâncias? Agora que os preconceituosos finalmente estão recebendo uma merecida e atrasada lição e que se pode reclamar abertamente os abusos e ter seu direito justificado sem sentir vergonha? Parece que vivemos num mundo retrô, onde voltamos às ruas para lutar pelo que, teoricamente, havia sido conquistado décadas atrás.

Há que ser um preconceito tão antigo como a segregação religiosa, há de vir de uma mente tão tacanha como a de um sujeito cujos próprios desejos parecem estar reprimidos, tensionados em uma paixão tão forte e tão proibida que se transforma em ódio e intolerância. Como Alan Chambers e sua igreja de cura gay nos Estados Unidos que hoje pede desculpas ao mundo por sua trajetória horrenda e, ele próprio se assumiu homossexual, este pastor brasileiro precisa acordar do pesadelo em que vive. Ele sim precisa de tratamento e todos os que concordam com essa ação insana.

Que não seja uma sina, que esse movimento de contrassenso funcione no seu extremo oposto em tempos de ruas cheias. Que nos faça ridicularizar o sujeito, sua ideia e destituí-lo de seu poder político, religioso e perigoso. E que no próximo futuro retrô, com causas tão fundamentais como estas de hoje, se ria dessa sandice, se conte como uma piada de bar, o dia em que um político entendeu que sexo era doença.

HISTÓRIAS SEMELHANTES

0 comentários

Contato | Parceria

Nome

E-mail *

Mensagem *