Piuque Huapi*

09:43

Em uma época imemorável, um homem e uma mulher de diferentes tribos da Patagônia Argentina se conheceram e se apaixonaram. Como suas culturas eram diversas, a norma que imperava sobre eles era o fim do amor, com a obrigatória separação. Cada um deveria seguir seu caminho, casando-se com um de seus comuns.

Mas o amor deles era muito muito forte. Era como aquele amor de Romeu e Julieta, de almas gêmeas e talvez como estes amores pelos quais as pessoas se casam com sinceridade. Em todo caso, o amor deles era muito maior do que as convenções e regras que tinham que obedecer.

Resolveram fugir. Era a única forma de viverem juntos e construírem com seu amor uma nova família, até formando uma nova tribo baseada no amor e com ele fortalecido. Eles correram e correram e se viram diante de um lago muito profundo e frio, o lago Mascardi. Conhecedores da região, sabiam que a única forma de viverem juntos seria na outra margem, onde as duas tribos não os alcançariam. Ao mesmo tempo, a margem oposta era muito distante e o lago de águas quase polares poderia matá-los.

Mas, mais uma vez, pensaram que não poderiam viver sozinhos separados - casados com outras pessoas que não eles e foram com o amor do mundo nas mãos dadas ao lago.

Nunca mais se ouviu deles.

Foram procurados em todas as terras, em todas as margens e vales. Tribos se comunicavam, as mais distintas, para saber que fim tiveram os dois jovens mais importantes que haviam em cada comunidade. Nenhuma resposta. Não havia nenhum sinal deles em lugar nenhum, nenhum corpo encontrado, nenhum corpo avistado.

O tempo passou.

Neste mesmo local onde eles haviam pulado, nasceu um mirante, de tanto as pessoas tentarem vê-los. Numa tarde de sol já sem esperanças, alguns passavam por ali e viram uma sutil movimentação na água. Aos poucos, uma ilha nascida verde submergiu das águas profundas. Alguns metros afastada, outra ilha, parecida com a primeira também se viu nascer. Aos poucos, as duas foram de encontro uma à outra e tornaram-se apenas uma, com um formato nunca antes visto, mas agora perpetuado como símbolo de amor eterno.

Piuque Huapi em Mapuche significa Ilha Coração.


*Essa lenda foi contada por Mapu, um índio Mapuche que era nosso guia em um dos passeios por Bariloche este mês.

HISTÓRIAS SEMELHANTES

3 comentários

  1. Que lindo! Estou sensivel para ler essas coisas... GOLPE BAIXO!

    ResponderExcluir
  2. Adoreii a história, nosssa linda demais. Gosto muito de ler as coisas que vc escreve. Já sou sensível, lendo isso então rs. Estou imaginando vc escutando esta lenda pelo contator, a sua cara rsssssss! Saudade! bju

    ResponderExcluir
  3. Adoro essas lendas que explicam alguma formação da natureza. Lá no ES também tem uma bela lenda sobre a pedra do Frade e da Freira. Não sei se conhece. É sobre um frade e uma freira que se apaixonaram. E há um belo sonete, escrito pelo capixaba Benjamin Silva que conta essa lenda:

    "Na atitude piedosa de quem reza,
    e como que num hábito embuçado,
    pôs, naquele recanto, a natureza
    a figura de um frade recurvado.

    E sob um negro manto de tristeza
    vê-se uma freira, tímida ao seu lado,
    que vive ali rezando, com certeza,
    uma oração de amor e de pecado.

    Diz a lenda – uma lenda que espalharam – que aqui, dentre os antigos habitantes, houve um frade e uma freira que se amaram.

    Mas que Deus os perdoou lá do infinito,
    E eternizou o amor dos dois amantes
    Nessas duas montanhas de granito."

    ResponderExcluir

Contato | Parceria

Nome

E-mail *

Mensagem *