Já é Carnaval cidade...

11:10

Rio de Janeiro. Com muitas indefinições em vista, não consegui me programar para ir a Salvador no Carnaval. Achei que ia ser tranqüilo, ainda que quisesse realmente ir e passar uns momentos no circuito. O Carnaval chegou, as indefinições tornaram-se definições e não pude ir. Não poderia simplesmente pegar um avião e ir à minha cidade, fazer uma visita.

O carnaval daqui é expressamente diferente do de lá. Ainda que eu tenha minhas chatices bairristas, de fato, não há como comparar a festa nas duas cidades. Aqui está acontecendo o carnaval de rua e as escolas de samba. As escolas não me interessam tanto, o desfile, o glamour... a festa que eu conheço é aquela das pessoas pulando, rindo, numa alegria eufórica e contagiante. O carnaval de rua é o que mais se aproxima disso. Fui a uns blocos, mas todos tocavam samba e não me empolguei tanto.

Em um desses dias, me falaram que ia tocar um bloco afro e que as músicas eram mais parecidas com as de Salvador, que até atabaques tinham. Fui. Me perdi de umas companheiras de festa e estava sozinha no meio do bloco. De repente Já chegou o verão, calor no coração, a festa vai começar soou alto e eu estava no Carnaval da Bahia. A mesma alegria me pegou e carregou e todas as pessoas ao meu redor tornaram-se Barra-Ondina. Enquanto eu cantava e pulava de uma forma que não esperava nunca, lágrimas caíam numa violência que eu lutava entre cantar e chorar.

É como eu amo Salvador sem nem perceber. É como nós estamos enraizados ainda que distantes. Não é simplesmente o carnaval da cidade. Não é simplesmente o povo ou minha família. Salvador tem uma espiritualidade ou uma energia que só quem é de lá consegue sentir na plenitude. Quem não é de lá e participa de uma festa como essa normalmente se apaixona, mesmo sem saber pelo quê. Não conheço muitos lugares no mundo, mas com certeza nenhum se compara. E não é exagero. É uma força tão grande que os blocos daqui tocam músicas de lá, que o carnaval daqui homenageia o de lá. É um conjunto. Minha cidade é um aglomerado de corações que, quando batem no mesmo ritmo, entram em sintonia com o universo e mesmo longe, podemos sentir sua vibração.

HISTÓRIAS SEMELHANTES

4 comentários

  1. Salvador é massa... carnaval, hmmm... nem tanto, nem tanto... saudade, beijos frô!

    ResponderExcluir
  2. Aproveitou aí hein! Eu cansei um pouco..queria viajar e descansar..mas nao deu :P
    bjo, Neila

    ResponderExcluir
  3. Tb passei o carnaval fora, por coincidência no Rio, mas fui por opção minha, por razões pessoais (fulga desesperada)...
    Achei que me afogaria em algo inteiramente novo, o carnaval de rua (pq comigo tb não rola ver desfile de escola de samba), e fui em busca da experiência de amigas locais, que me cantavam um carnaval diferente, de alegria infantil, fantasias e nostalgia...
    Não escutei nada além de samba e marchinhas repetidas, e tive a experiência de escutar exaustivamente Nação Zumbi de um pequeno palco montado para alegrar o intervalo dos blocos (me senti em Recife).
    Senti muita falta de Salvador, dos trios, blocos e camarotes, da alegria de ver amigos... e surpresa de me arrepiar escutando axés saudosos... Senti falta do fim da festa, do barulho das pessoas vagando, buscando o restante de festa que existia no dia (ou melhor, noite), senti falta de dormir no burburinho e acordar com os camarotes... De reclamar do barulho, da agonia, coisa e tal...
    Percebi que não consegui fugir... não posso fugir de algo que está em mim... é isso aí.

    ResponderExcluir

Contato | Parceria

Nome

E-mail *

Mensagem *