Inaugurando 2009

23:03

Com a chegada do ano novo, pensei em novidades, em situações novas além de um novo calendário. Numa viagem relâmpago de volta a Salvador, encontrei os meus e me senti em casa. Hoje estou de volta, sozinha no Rio e também em casa. Essa tranqüilidade de dormir pesado com os barulhos da rua é que me fez perceber o quanto eu mudei em apenas um ano.

Ao assistir mais um episódio repetido de Sex and the City, vi Carrie Bradshaw numa cena que me será recorrente neste verão: a personagem estava sentada de frente para um ventilador, lendo um livro. Se o verão carioca permitir menos frentes frias do que as freqüentes, o glamour fantasioso da televisão se transportará para meu apartamento térreo. Ainda assim, esta foi uma noite de dezenove graus bastante agradável. Deitada no sofá de uma outra cidade em um outro estado que há um ano nunca havia sequer visitado, estou à vontade.

É claro que minha relação com Salvador é muito diferente da que tenho com o Rio. Enquanto em Salvador encontro a cidade inteira como extensão da minha casa (percorro as ruas com olhos fechados, as pessoas, o jeito, a fala, a comida, tudo é família, não apenas familiar), no Rio essa dimensão se restringe ao espaço da residência. Os olhares são outros como meu comportamento e a familiaridade vai se construindo aos poucos. As ruas já percorro com tranqüilidade, descubro que caminhos seguir e amizades manter. Neste ano que chega, minha busca está mais uma vez entre conhecer o ofício do audiovisual, ser ainda mais seletiva e perder menos tempo.

Morar só continua sendo um prazer e cada vez mais, descoberta. Vou vivendo o dia-a-dia com a certeza de que só depende de mim construí-lo, das ações mais banais, como ir ao mercado, às necessidades urgentes, como uma visita a um hospital às cinco da manhã, ardendo em febre. São responsabilidades e a disciplina que vamos criando e aprendemos a manter, por vezes trocando experiências com conhecidos em situação parecida ou até contando para aqueles que estão distantes.

Acaba que o texto traz idéias que se renovam e reciclam, fruto dessa vida que ultrapassa a temporalidade dos dias que nos fazem atravessar mais um ano. Eu queria propor mudanças de mundo e aquelas lembranças, projetos, propostas, grandes sonhos que temos para nós e para os outros, os outros todos que existem por aí. Eu sei, entretanto, que seria apenas mais uma vontade do que a certeza de que daria certo, então deixo a vontade, o desejo de mudanças e a certeza de neste processo já me encontro.

Que venha o novo e que nos torne um pouco melhor do que somos ou acreditamos ser.

HISTÓRIAS SEMELHANTES

3 comentários

  1. sim e sim, tatiana: que nos tornemos, todos nós, "um pouco melhores do que somos ou acreditamos ser".

    sinceramente.
    daniel*




    *um pouco...ahn... espantado por topar com um link pra mim por aqui. ^^

    ResponderExcluir
  2. :) e ai tyta. Nessa sua viagem relâmpago a Salvador você recebeu alguma ligação estranha? ushus Espero que sim, se não assustei alguma outra Tatiana...

    ResponderExcluir
  3. Taty, que saudade!!! Não sabia que vc estava em ssa, se não, teria proposto um reencontro...
    Desejo que vc construa coisas maravilhosas aí no Rio e que esse ano seja muito mais de realizações do que de sonhos.
    Bjos :)

    ResponderExcluir

Contato | Parceria

Nome

E-mail *

Mensagem *