Geórgia

14:42

O que parece mais um novo filme nos espanta com a nitidez da realidade. As fotos publicadas da mais nova guerra mundial nos transportam para a emoção da dor com tamanha qualidade estética que mais parece um ensaio fotográfico revolucionário. Mais uma vez, a vida real vence para as superproduções da sétima arte.

Os soldados, os civis, as paisagens incríveis e o contingente populacional envolvido surpreende. Os fotógrafos merecem o prêmio da estética, ainda que a ética permaneça em xeque. Eu gosto muito das fotos, as acho belíssimas e as cores são tão fundamentais como os sentimentos diversos expressos em cada imagem. É surpreendente o que o pessoal de comunicação aprende com esse tipo de reportagem. Guerras não faltaram como escolas.

Falar em guerra... eu fico me perguntando qual a razão disso tudo. Eu não sou estúpida e as razões para as guerras eu até sei, mas é que parece tão antiquado. É uma forma tão arcaica de humilhar o outro, de provocar o pior intencionalmente – porque não é já simplesmente o mal – é causar tanta dor e tanta dor já conhecida por todos.

Até o tema já perdeu a graça. E ficamos vendo a miséria de camarote... a mesma e diferente da que temos em nossas esquinas todos os dias. E aposto que ainda tem gente dando graças a Deus por não estar na Geórgia, Afeganistão, Rússia, Iraque, Israel, Palestina, Tibet, China, África(s) e mais um sem fim de nações em permanente conflito. Nossa rotina é nossa guerra particular.

HISTÓRIAS SEMELHANTES

4 comentários

  1. as imagens são chocantes, o vermelho do sangue derramado contrasta com o cinza da paisagem, o cinza da destruição, o cinza da guerra.

    Vilvet (numa tarde chuvosa em SSA - 11.08.2008)

    ResponderExcluir
  2. é verdade.
    e continuamos assistindo todos os dias, fingindo n perceber que mora ao lado.
    "Nossa rotina é nossa guerra particular."

    ResponderExcluir
  3. O engraçado é que eu escuto falar tanta gente que não gosta de guerra, mas que alimenta isso. Não é possível que devam existir mais gente querendo guerra do que não querendo. Eu sei, eu acredito piemente que o objetivo das pessoas é ser feliz, viver em paz, e não produzir a guerra. Mas existem notícias assim. Pessoas que vêem essas notícias. Filmes assim. Livros assim. Comentários. Atitudes.
    Em falar nisso, como voce está, quasechara de sobrenome, conhece minha irmã? rsrsrsr

    bjos.

    ResponderExcluir
  4. "Falar em guerra... eu fico me perguntando qual a razão disso tudo?"

    André Bazin que dizia que uma das utilidades das guerras (justas ou injustas) era suprir parte das demandas e sede do cinema pelo realismo.

    ResponderExcluir

Contato | Parceria

Nome

E-mail *

Mensagem *