Ouro de Tolo!

22:10


Ontem foi dia de ver filme. Enquanto o trabalho não chega, faço meu papel de aprendiz de crítica de cinema, assistindo aos filmes e escrevendo sobre eles aqui e em nosso site. O site não dá grana, mas evita gastar. Temos acesso às cabines de imprensa e a possibilidade de dizer o que achamos do filme para que nossos leitores decidam por aí, se quiserem, se assistirão ou não aos filmes. Ontem assisti A Família Savage e Um Amor de Tesouro, ambos com estréias previstas para sexta-feira, 21/03. A foto que acompanha o post corresponde ao estado de ânimo de nossos colegas ao sair da sessão.

Curiosidade: diferente de Salvador, algumas cabines de imprensa daqui são realizadas nos próprios escritórios das distribuidoras, o que significa que elas têm uma sala de cinema bem menor... é como se fôssemos a um cine de 50 lugares. É interessante a experiência. Por isso que na foto não parece um corredor de cinema. :)

Ah! Meu amigo Café é o que faz cara de japinha na foto. Ele é baiano e estuda cine aqui também.


Um Amor de Tesouro

O título não seria tão ruim quanto o filme, caso a tradução fosse exata. Um Amor de Tesouro (Fool's Gold) é a mais nova comédia romântica em cartaz nos cinemas nacionais. Acreditando que a parceria Kate Hudson – Mathew McConaughey faria sucesso independente do roteiro, a equipe do filme achou possível realizar mais este filminho de sessão da tarde.

Ao que tudo indica, a parceria romântica não é de todo mal, mas a impressão que se tem em seus intermináveis 113 minutos é que o filme foi feito em meio à greve de roteiristas e um deles resolveu, em protesto, fazer um trote com o cinema hollywoodiano. Falas desnecessárias, tramas secundárias sem razão de existir ou com pouco desenvolvimento e atuações forçadas engendram o quadro. Como sempre, a química entre o casal protagonista permanece, como vista em Como Perder um Homem em 10 Dias, mas o foco é constantemente desviado para a aventura fraca que envolve o enredo.

Ben Finnegan (Mathew McConaughey) e Tess Finnegan (Kate Hudson) formam um casal de caçadores de tesouros, em crise conjugal, que busca resgatar o acervo de jóias da Coroa espanhola do século XVIII, supostamente naufragado no Caribe. Em meio a viagem em um iate de um milionário (Donald Sutherlad) que pretende reconquistar sua filha adolescente e fútil, encontram um grupo rival com os mesmos interesses. Realizado para o verão americano, Um Amor de Tesouro promete emoção, diversão, corpos sarados e romance, mas cumpre pouco.

Assim como em Piratas do Caribe verificamos que a faixa etária para o filme é preferencial para adolescentes – ainda que seja uma boa trilogia de aventura para todas as idades – este filme tenta seguir a mesma linha. Vilões fracos e caça ao tesouro com a certeza da vitória são os primeiros clichês. Sabemos também que a mocinha ficará com o mocinho e que o bandido perecerá. O que não compreendemos é como o diretor dos sucessos Doce Lar e Hitch – Conselheiro Amoroso cai em tão desanimada produção, ainda que algumas poucas falas sejam auspiciosas e cordiais. Caso você não tenha o que fazer e não queira pensar, veja o filme, uma boa fotografia, impecável figurino e algumas risadas em face ao ridículo são certos.

Um Amor de Tesouro estréia sexta nos cinemas. Você lê mais no Drops.

HISTÓRIAS SEMELHANTES

1 comentários

  1. Rapaz, n vou te desafiar nao. Depois dessa, nao vou ver.

    ResponderExcluir

Contato | Parceria

Nome

E-mail *

Mensagem *