Domingo no CCBB

19:13

Ontem fiquei na dúvida do que ia restar do meu domingo de ócio e Páscoa; o tempo não ia nem vinha e as praias, como sempre, muito cheias. Resolvi conhecer o Centro Cultural Banco do Brasil e aproveitei pra ver as exposições que estavam rolando.

O CCBB fica na esquina da Igreja da Candelária, aquela da chacina em 93, quando mataram quase dez crianças e jovens moradores de rua. Aquela mesma chacina em que um dos sobreviventes foi Sandro, o sequestrador do ônibus 174, anos depois. Só aqui eu soube o que siginficava isso tudo, já que vi os moradores de rua, a Igreja da Candelária e entendi a linha que o 174 fazia (Gávea – Central do Brasil).

As exposições que estão rolando por aqui são: Família Ferrez e Os Trópicos – Visões a partir do Centro do Globo. Ia tudo bem comigo no ônibus que dava no centro da cidade até que o cobrador disse, quando eu perguntei se estava perto: você vai pro CCBB, né? Então, se você der sorte e o sinal fechar, você salta na porta, se não... só depois da Candelária. É óbvio que ao ouvir Candelária, “chacina” apareceu na minha cabeça e pensei: meninos de rua, assalto e o fim do meu circuito cultural num dos marcos de violência da cidade, mas evitei sofrer muito. Fiz cara de “droga, me lenhei” e falei pro cobrador: relaxe, vou dar sorte. Ele riu e continuamos nosso percurso.
Como sou realmente uma pessoa de sorte, agradeci milhões ao cobrador e motorista, Deus, Todos os Santos e Orixás e pulei de alegria do ônibus para o portão do CCBB. É um prédio grande e amplo, com teatros, cinemas, auditórios, salões de exposição e um café. A exposição Os Trópicos já começa no andar 1 (aqui no Rio eles abstraíram o térreo). De cima a baixo, no centro do prédio há uma abóbada toda ornamentada com uma peça imensa que fizeram para compor. Há os bancos para sentar e deitar no centro, para observarmos. É uma visão interessante.
Subi para a exposição. Peças artesanais, fotografias, pinturas, tecidos, roupas, música, vídeo-instalações, documentário. Algumas são do Museu Etnográfico de Berlim e outras coletadas pelo mundo: Etiópia, África do Sul, Brasil, Espanha, Indonésia, Suíça e mais uns aí. É dessas exposições que você passa um tempão e tenta guardar tudo na memória. Claro que com a que eu tenho, pouco fica. O que mais surpreendeu foi o vídeo sobre Ruanda. Filmado lá, tratava em sete capítulos, do genocídio de 1995. Como sabemos, mais de 500.000 pessoas foram assassinadas a facão, a grande maioria da etnia tutsi.

O que importa neste filme é a forma. Ele não era um documentário de depoimento ou uma ficção, como Hotel Ruanda (2004). O filme tratava não do epicentro do conflito, mas das montanhas, onde algumas famílias viviam das plantações de café – a principal economia do país. Crianças, jovens, idosos, mulheres. Mostrou-se o massacre, como era impossível não fazê-lo, mas desfocado, para que víssemos as ações criminais mas não passássemos por mais desconforto além do inevitável. Mostrava ainda, o vazio após o incidente e a tristeza nos olhos das pessoas. Foi um filme que me prendeu, parei para ver todos os capítulos. Eram dois telões com imagens simultâneas, com a montagem combinada que tornava dois vídeos em um só. Como era de se esperar, não saí me sentindo bem do vídeo, mas entendi a proposta e aprendi com ela e com a história que foi contada.
Depois de muito caminhar nos Trópicos, achei que conseguiria ver os Ferrez tirando fotos. Vi, mas cansada do monte de cultura que tinha engolido de uma só vez. A fotos dos Ferrez são muito boas e antigas, datam até os anos 60 do último século e, em sua maioria, são paisagens do Brasil de norte a sul. O que mais me interessou nessa expo foram as fotos de família e quando eram fotografadas pessoas. Para mim, as fotos tornavam-se muito mais interessantes, porque víamos como as pessoas andavam, se vestiam e se portavam diante das câmeras. Muito mais legal que as paisagens, não querendo diminuí-las.
Saindo de lá, mais terrorismo. O taxista infame da porta do CCBB me informou que eu teria que pegar o ônibus pertinho da Candelária, que era pra eu ter cuidado e andar atenta. Ele praticamente disse: você vai ser assaltada. Mais uma vez contei com a ajuda do pessoal do plano astral e fui em frente. Quando cheguei no ponto, vi que as pessoas de rua realmente moram ali e não são poucas, mas ficam mais longe, do outro lado da rua e estavam tranquilas, deitadas ou quietas. Peguei meu coletivo e segui para casa, sem crises. Estou gostando desta terra.

Observação fundamental: Juro que pensei em comprar o livro da Expo dos Trópicos para mostrar ao povo da pátria amada, mas era 60 reais e fiquei tímida. :P

HISTÓRIAS SEMELHANTES

3 comentários

  1. Eu gosto das historias de Ruanda, deve ter sido legal ver esse outro lado. Pô prima, proxima vez em vez de te dar velas de capuccino, vou te dar armas de capuccino! Será que serve pra algo? hueheuheue! Beeeijao! E continue absorvendo um monte de cultura, pra eu aprender por parcela, nao podendo, neste exato momento, estar ai com você! Mas logo logo isso será possivel e REAL! uhu! beijao!

    ResponderExcluir
  2. Gostei da foto que vc postou muito interessante...e que caminhada tensa vc fez até chegar no CCBB...rsrs!!
    Adoro qdo vc fala das culturas...do mundo...da vida cotidiana!!!
    Continue postando quero ficar informada =DDD!!!

    se cuida viu?! hai ai!

    rs saudade bjuuuu

    ResponderExcluir
  3. bju jubs...ei o comentario ai em cima foi meu rssss!!

    ResponderExcluir

Contato | Parceria

Nome

E-mail *

Mensagem *